Mixomatose


O que é a mixomatose?

A mixomatose é uma doença que afecta particularmente os coelhos domésticos. É uma doença causada por um vírus, mais precisamente um poxvírus, chamado de myxoma. O myxoma virus provoca doença ligeira nos coelhos selvagens nativos da América do Sul, mas noutras espécies de coelhos e lebres, especialmente em coelhos europeus provoca uma doença severa com mortalidade de 99%. A palavra myxoma vem da palavra grega “mucus” a qual se refere a um tumor de tecido conjuntivo que usualmente é embutido em muco. A doença é caracterizada pela presença de tumores na face e membros de coelhos afectados.

A mixomatose foi criada pela mão humana com o objectivo de erradicar colónias de coelhos em França, onde rapidamente se alastrou para outros países da europa, como Portugal, Irlanda e Inglaterra.

É importante saber que a Mixomatose só afecta coelhos e não representa nenhum risco para a saúde pública.

Transmissão da doença

A Mixomatose é transmitida maioritariamente por mosquitos e moscas que ingerem o vírus ao picar animais infectados, posteriormente transmitindo a doença a outros animais susceptíveis. A doença pode também ser transmitida por contacto directo entre coelhos infectados ou indirecto pelo contacto com fómites (objectos inanimados contaminados).

Sinais clínicos

A doença pode ocorrer por duas formas: a forma nodular (clássica) e a forma respiratória.

A forma nodular típica do poxvirus provoca tumores cutâneos benignos ou mixomas.

A doença começa por se manifestar com febre, que pode atingir os 42oC, apatia, anorexia, hemorragia cutânea, convulsões, inflamação mucopurulenta das pálpebras e da conjuntiva, secreção ocular e nasal com aspeto leitoso, nódulos subcutâneos na face, orelhas, pálpebras e períneo, edema da face e dos órgãos genitais, aumento do tamanho do baço e dos gânglios linfáticos. O sistema imunitário fica severamente comprometido facilitando infecções secundárias bacterianas e como tal sinais de pneumonia são comuns. Á medida que a doença progride o animal fica prostrado, e a morte por pneumonia usualmente acontece entre 8 e 15 dias. Em casos hiperagudos os animais podem morrer em 48 horas.

As imagens abaixo ilustram casos da doença na sua forma nodular.

A forma respiratória não apresenta mixomas, verificando-se praticamente apenas sinais respiratórios, sem nódulos cutâneos ou em pequena quantidade de pequena dimensão.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito através do isolamento e identificação do agente em laboratório. As amostras são colhidas de lesões cutâneas (mixomas), pálpebras, mucosa genital e orgãos internos (pulmão, fígado, baço, rim).

Tratamento

Não existe tratamento eficaz contra a mixomatose. Ocasionalmente coelhos menos afectados poderão recuperar e coelhos vacinados têm uma maior probabilidade de combater a doença.

Prevenção

Sendo que a mixomatose é transmitida por insectos, uma protecção como rede anti-mosquitos nas janelas é importante em casas situadas em zonas endémicas. É aconselhado manter o coelho dentro de casa especialmente nas horas mais propicias, como finais de tarde.

A desparasitação externa, tal como pipetas contra mosquitos e moscas são de extrema importância como prevenção contra a mixomatose. A desparasitação externa deve ser feita a todos os animais da casa.

A vacinação contra a mixomatose anualmente é das prevenções mais importantes e mais eficazes.

Desinfecção das instalações e utilização de desinsetizantes eficazes contra mosquitos e pulgas.

Caso haja infecção, é necessário o isolamento dos animais infectados para prevenir que a doença se propague para outros animais susceptiveis.

Publicado por William


Deixe um comentário